TRÊS LAGOAS

MATO GROSSO DO SUL

Com protocolos técnico, Aquário do Pantanal recebe primeiros peixes

Publicados

MATO GROSSO DO SUL


Com inauguração marcada para a última semana de março, o Aquário do Pantanal já começou a receber os peixes que ficarão nos tanques do circuito interno. Ao todo, 40 peixes de três novas espécies descobertas por técnicos do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) foram soltos no Tanque Veredas.

Primeiro dos 18 que levam ao túnel principal, o tanque Veredas revela o início do ciclo das águas no bioma alagado, mostrando a relação entre fauna e flora aquática, com elementos como buritis. O aquário possui espaço para 600 animais de pequeno porte.

Até então, apenas os tanques externos estavam sendo habitados com exemplares das espécies pintado, tambaqui, pacu e lambari. Agora, o povoamento avançou com a liberação de animais nos viveiros internos.

Segundo o coordenador do Laboratório de Ictiologia do Imasul, o biólogo Heriberto Gimenes Júnior, “todos os protocolos técnico-científicos estão sendo rigorosamente seguidos para garantir saúde, biossegurança e bem-estar aos organismos vivos que estão habitando o Aquário do Pantanal.

Leia Também:  Atuação da AGEMS fortalece a execução do Plano Estadual de Resíduos Sólidos

Depois de pronto, o Aquário do Pantanal servirá de moradia para mais de 230 espécies de animais da fauna sul-mato-grossense e também de outros cantos do mundo. Além dos cardumes do Pantanal e da região de Bonito, vão viver no Aquário bichos de cinco continentes: Europa, África, América (Amazônia), Ásia e Oceania.

São 33 tanques, sendo 23 internos e oito externos, além de um tanque de abastecimento e outro de descarte de efluentes, totalizando um volume de cinco milhões de litros de água. O maior dos reservatórios é o túnel principal, que levará 1,2 milhão de litros de água para receber animais de grande porte.

 

Katiuscia Fernandes – Subcom

Fonte: Governo MS

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

MATO GROSSO DO SUL

Imprensa nacional desmascarada farsa tucana para acusar Marquinhos Trad e ameaças de secretário de segurança contra ele

Publicados

em

Após a divulgação de um inquérito em tese sigiloso, vazado em tempo recorde, a imprensa nacional – tanto a revista Veja quanto a Folha de São Paulo, trouxeram à tona o que seria um dos motivos da denúncia contra Marquinhos Trad (PSD) pré candidato ao Governo do Estado em Mato Grosso do Sul.

Alem das acusações de assédio sexual, que foram feitas por três mulheres, também foi revelada a tentativa de comprar depoimentos e ameaça.

De acordo com a denúncia da revista Veja, o pré-candidato Marquinhos Trad (PSD), ex-prefeito de Campo Grande, contou que sofreu ameaças do delegado Antônio Carlos Videira, atual secretário de Segurança Pública do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que tenta emplacar outro secretário, Eduardo Riedel (PSDB), como sucessor no governo.

As ameaças começaram após o ex-prefeito criticar, em suas redes sociais, uma ação da Polícia Militar do estado que culminou na morte de um indígena da etnia guarani-kaiowá, no fim de junho.
Em resposta, Videira teria mandado algumas mensagens a Trad com o tom de ameaça. “Não se esqueça do papel que desempenhei no passado. Não bata na segurança pública que tudo pode continuar bem”, teria escrito o secretário. “Só precisamos alinhar as falas sobre segurança pública daqui para frente. (…). Retrate-se Marcos, só isso que os policiais estão esperando”, continuou.

Leia Também:  Detran-MS dá início a obra de revitalização no Fácil Aero Rancho, em Campo Grande

Prints com ameaças

Os prints da conversa entre Videira e Trad no WhatsApp foram divulgadas tanto pela revista Veja quanto pela Folha de São Paulo.

Pela linha do tempo, foi o que bastou para que logo em seguida Marquinhos passasse a ser alvo de uma investigação da Polícia Civil sobre supostos abusos sexuais que o ex-prefeito teria cometido em 2020, quando ainda estava no cargo de prefeito. Marquinhos nega as acusações, feitas por ao menos três mulheres em depoimento à Polícia Civil.

Tucano ofereceu ofereceu R$ 150 mil para mulheres denunciarem Trad
Vale lembrar que uma mulher que não foi identificada já havia denunciado que Carlos Alberto Assis ofereceu 150 mil reais por vídeos ou conversas que pudessem comprometer o candidato do PSD. A mulher do vídeo também acusa do mesmo crime Vagner Almeida, assessor de Azambuja.

Vale lembrar que, a última pesquisa para o governo sul-matogrossense, divulgada pelo instituto Real Time Big Data em 14 de junho, Marquinhos Trad está empatado na margem de erro de três pontos para mais ou para menos com os candidatos André Puccinelli (MDB) e Rose Modesto (União Brasil). Trad teria 22%, Puccinelli 21% e Rose, 15%. Riedel aparece abaixo do trio, com 8% das intenções de voto.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

TRÊS LAGOAS MS

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA