TRÊS LAGOAS

POLÍCIA

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA: Pedreiro é investigado pelo estupro de sobrinha de 10 anos

Publicados

POLÍCIA

Criança apresentava comportamento estranho, que foi percebido pela avó paterna.

Pedreiro de 45 anos é suspeito de estuprar a sobrinha de setembro de 2015 a fevereiro de 2016, em Aquidauana. A vítima tinha 10 anos quando os abusos começaram.

Segundo o inquérito policial, a vítima se mudou com seus pais para a casa da avó materna, mãe do denunciado, que também morava no mesmo local.

Quando estava sozinha na casa, fazendo seu irmão de 4 anos dormir, ou os pais estavam trabalhando e a avó estava nos fundos da residência, o denunciado se aproveitava para tocar a criança.

Não houve conjugação carnal, pois toda vez que estava prestes a ir além, a vítima dizia que iria gritar. No entanto, ela só conseguiu denunciar quando se mudou da casa dele, pois tinha medo.

Conforme narrado pela avó paterna da vítima, durante o período em que os abusos ocorreram, ela apresentava comportamento estranho, que foi piorando com o tempo até que, após muito insistir, a vítima acabou confidenciando-lhe os abusos.

Leia Também:  Polícia Militar cumpre 8 mandados de prisão em cinco dias na área de atuação do 7º BPM

O processo está em andamento. A defesa ainda vai apresentar resposta à acusação.

 

CREDITO: TOPMIDIANEWS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍCIA

PF investiga sonegação de R$ 678 milhões e mira empresários em Campo Grande

Publicados

em

Equipes estão cumprido mandados em Campo Grande e empresas que sonegam impostos são alvos.

A Polícia Federal cumpre, nesta terça-feira (28), 61 mandados de busca e apreensão em diversas regiões do Brasil, incluindo Campo Grande. Os alvos são empresas que sonegam impostos e esquema sofisticado para não pagar impostos. A maioria delas atua no ramo da reciclagem e produção de alumínio.

Segundo informações da PF, o esquema sonegou R$ 678 milhões. As equipes cumprem mandados também em Sorocaba, São Paulo, Mogi Mirim e São José dos Campos. A operação batizada de Blindagem Metálica também acontece em outros estados, como Rio de Janeiro, Paraná, Distrito Federal, Santa Catarina e Minas Gerais.

A ação feita pelo Ministério Público Federal, a Receita Federal, a Polícia Federal, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), diz o Jornal Cruzeiro.

Operação

Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Taubaté (SP) e executados por cerca de 300 policiais federais, mais de 110 auditores e analistas da Receita Federal, além de membros da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional e integrantes do Cade.

Leia Também:  Polícia Civil prende em flagrante assaltante envolvido em roubo em supermercado em Várzea Grande

As investigações foram iniciadas em 2018. O grupo, entretanto, já havia sido fiscalizado anteriormente e foi alvo de outras operações deflagradas pelo poder público nos últimos dez anos. Em vez de promover a regularização, o grupo aprimorou a sistemática da fraude, insistindo no não cumprimento de pagamentos tributários perante os fiscos federal e estadual.

A fraude é complexa e caracterizada pelo uso intensivo de empresas “laranjas”, geralmente constituídas de forma fraudulenta ou com manifesto abuso da personalidade jurídica. No escopo dos trabalhos também foi identificado que o grupo adquiriu o controle de outras empresas do setor nos últimos anos.

Nome da Operação

A operação recebeu o nome de Blindagem Metálica em decorrência do “modus operandi” do grupo, configurado pela constituição de diversas camadas de pessoas jurídicas que cometem ilícitos fiscais, sempre afastadas dos reais controladores do esquema. A fraude lesa os cofres públicos em aproximadamente R$ 800 milhões anuais, sendo que R$ 300 milhões se referem a tributos federais (IPI, PIS e COFINS) e R$ 500 milhões a tributos estaduais (ICMS), totalizando aproximadamente R$ 4 bilhões nos últimos 5 anos.

Leia Também:  TEM QUE PAGAR! Mãe acompanha júri e pede pena máxima para pai assassino

Para dar maior credibilidade a essas transações de compra e venda, o grupo mantinha um complexo esquema de pagamentos e recebimentos de notas fiscais das empresas “blindadoras” e “noteiras” para simular a operação mercantil e dificultar o rastreamento pelo fisco.

 

CREDITO: TOPMIDIANEWS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

TRÊS LAGOAS MS

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA